Buscar

Os Volkswagen mais excêntricos da coleção de Taj Ma Garaj!

Fique a conhecer alguns dos mais extravagantes Volkswagen de todos os tempos!

Uns originais outros alterados e únicos, os automóveis podem ser sempre personalizados de acordo com a excentricidade de cada um. É nos mais excêntricos que nos vamos focar, mostrando lhe os 4 Volkswagen mais radicais da colecção de Taj Ma Garaj!


Volkswagen Beetle Outlaw Death by Franz Muhr (1956)


Este Carocha “Split Window” foi transformado seguindo a veia “hot rod”, com a carroçaria em metal exposto e sem guarda lamas, tendo também várias marcas do uso e do rebaixamento do tejadilho. O motor está exposto, na traseira, saltando à vista os dois carburadores invertidos e as quatro cornetas de admissão de ar. O interior está despido de qualquer luxo, incluindo os bancos traseiros, estando o volante do lado direito.



Volkswagen Beetle “Casa Linda Lace” by Rafael Esparza-Prieto e Jose Barajas (1970)

Este automóvel com mais de 5000 soldas e 2500 remoinhos, idênticos aos utilizados em grades de jardim, foi produzido por Rafael Esparza-Prieto e Jose Barajas, num chassis original de um “Carocha”. Apesar da “carroçaria” este modelo é totalmente conduzível. Este automóvel foi produzido para o Restaurante Casa Linda, em Montecito, na Califórnia.



Volkswagen Beetle Jungle Bug (1971)

Este Carocha foi modificado, seguindo muito o estilo europeu. A pintura foi baseada na de um tigre. O automóvel foi rebaixado, foram instaladas umas jantes mais actuais e as linhas da carroçaria foram suavizadas, eliminando os para-choques, puxadores e espelhos. Os farolins originais foram retirados e foram instalados uns LED’s. No compartimento da frente, foram instalados os amplificadores para o sistema de som.



Volkswagen Beetle Última Edición (2004)


O final de produção dos Carocha, no México, foi anunciado em Junho de 2003 e, ao mesmo tempo, foi lançada a edição especial, para comemorar o fim deste modelo. Estava disponível em duas cores, Aquarius Blue e Harvest Beige. Este último modelo já tinha algumas modernidades implementadas no motor, como os sensores na borboleta do acelerador, onde deveria estar o carburador. O interior também era mais moderno, principalmente os bancos, mais confortáveis e seguros.




Fonte: Jornal dos Clássicos